Recordando-me das aulas de História na Escola Estadual Rodolfo Paiva, em São Bento do Una – PE, onde aprendíamos que o dia 8 de março é comemorado o Dia Internacional da Mulher devido a um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York, em 1911, quando aproximadamente 130 operárias teriam morrido carbonizadas. Custei a acreditar que fosse esse o único motivo. Não que o ocorrido não seja significativo, mas vejo anos e anos de luta feminina por direitos iguais que resolvi me inteirar um pouco mais sobre o assunto.

Desde o Século 19 que existiam movimentos de organização feminina que lutavam por direitos, devido as jornadas de trabalho elevadas com a ascenção da Revolução Industrial. Em 1910, uma conferência de mulheres realizada na Dinamarca, criou uma resolução para instituir um dia para ser comemorado o dia das mulheres, mas como um marco de lutas. Durante a Primeira Guerra Mundial, em 1917, muitos protestos surgiram. E em 8 de março daquele ano, na Rússia, mais de 90 mil operárias protestaram contra o império por causa da fome, das más condições de trabalho e da participação russa na guerra. No entanto, para as Organização das Nações Unidas, somente em 1975 que o 8 de março virou a data como a conhecemos ou, pelo menos, aprendemos na escola.

Encontrado o motivo para a escolha da data, e aqui contei de forma bem resumida, olho para os dias atuais e vejo que as batalhas continuam. Muita coisa mudou, mas mundo a fora a mulher precisa estar constantemente provando seu valor. Provando que são muito capazes. As vezes até mais que os homens.

Uma das lutas atuais, e podemos ver isso no nosso dia a dia, é com relação a violência contra a mulher. Diariamente vemos nos programas sensacionalistas da Record TV e da TV Band mulheres sendo agredidas, violentadas e assassinadas das formas mais cruéis possíveis.

De acordo com o portal G1, em 2018 foram registrados 4.254 homicídios dolosos de mulheres. Um aumento de 12% no número de registros de feminicídios. Para se ter uma noção: uma mulher é morta a cada duas horas no país. Ainda falando de Brasil, em 9 de março de 2015 a então presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei do Feminicídio (13.104/15) que torna a prática em crime hediondo. Para os especialistas, é considerado feminicídio quando o crime é configurado por questão de gênero, ou seja, pelo simples motivo de ser mulher.

HOMENAGEM – Deixando de lado questões de luta que já são bastante difundidas nessa época. Falemos da importância desse gênero que traz consigo a dádiva de gerar a vida. Antes de ser um dia que marca as lutas históricas, devemos celebrar a vida de nossas mães, irmãs, amigas, namoradas, esposas, etc.

Então me vou me dirigir a você homem: lanço um desafio! Fale para a mulher mais próxima de você o quanto ela é especial e significativa na sua vida. Mostre que ela é amada muito mais do que desejada. Que todas as batalhas que ela trava ao acordar serão vencidas, porque tem seu apoio. Só assim daremos o verdadeiro significado ao dia internacional da mulher: um dia para celebrar o melhor e mais especial dos gêneros.

Veja também

    None Found

Comente via Facebook

comentários

Vamos ajudar!


Doe agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here