Mais de 20 mil torcedores atravessaram a fronteira com a Argentina para ver o Chile estrear na Copa América com uma suada vitória por 2 a 1, de virada, sobre o México. Em duelo válido pelo Grupo C, os chilenos dominaram a partida durante os 90 minutos, levaram um susto no primeiro tempo, mas conseguiram se impor e chegar à vitória na etapa final.

Com uma primeira rodada repleta de empates, esta foi a primeira vez que uma equipe marcou mais de um gol na competição. A seleção chilena lidera o grupo, à frente de Uruguai e Peru, que empataram em 1 a 1 nesta segunda-feira.

O toque de bola é a nossa escola

O Chile dominou todo o primeiro tempo. Com um futebol envolvente e uma equipe entrosada, a equipe tocava a bola com tranquilidade, mas não conseguia transformar a superioridade em gols. O badalado Sánchez, que deve se transferir para o Barcelona, perdeu a principal chance da equipe. Aos quatro minutos, Isla fez ótimo lançamento para o atacante, que ficou de frente para o goleiro, mas chutou para fora.

O México tentava responder com os contra-ataques puxados por Giovani dos Santos, que insistia em tentar cavar faltas, ou perdia a bola nas jogadas individuais. A equipe chilena buscava abrir a defesa mexicana jogando pelas pontas, abusando da boa movimentação de Sánchez.

Pelo meio e avante. Mas quem não faz…

Após os 20 minutos iniciais, a equipe chilena mudou a tática e passou a tentar investir no ataque pelo meio. Funcionou. Aos 26 minutos, Sánchez foi derrubado perto da área, e Fernández quase abriu o placar na cobrança da falta. Quatro minutos depois, após triangulação com Fernández e Sánchez, Suazo ficou de frente para o gol, mas chutou por cima do goleiro.

O futebol costuma ser cruel com quem não aproveita as oportunidades, e o Chile teve que pagar por isso. Aos 40 minutos, a defesa deixou de afastar o perigo em um lance cujo domínio parecia estar garantido. Na tentativa, a bola sobrou para Araujo cabecear por cima do goleiro e abrir o placar. O gol foi apenas a segunda tentativa mexicana, contra nove dos chilenos.

Tensão vermelha… E ufa!

Na segunda etapa, o Chile continuou mantendo a posse de bola, enquanto os mexicanos assistiam ao adversário dominar, mas o nervosismo passou a tomar conta dos sul-americanos. Aos sete minutos, Suazo perdeu mais uma chance. Livre, chutou em cima do goleiro Michel. Passes excessivos, chutões de fora da área, nada parecia dar certo. Curiosamente, graças à tensão e uma jogada inusitada, o gol de empate saiu.

Aos 21 minutos, escanteio para o Chile. Contreras chutou mal, mas a bola acabou sobrando para Paredes tocar para o gol. Com os ânimos acalmados, os chilenos voltaram a trabalhar a bola com mais calma, e a virada parecia natural. Bastaram mais seis minutos.  Novo escanteio para “os donos da casa”, e Vidal subiu sozinho para cabecear e colocar o Chile à frente no placar.

Tudo dominado, ou quase

O toque de bola passou a ser perfeito para o Chile, que não teve problemas para manter o resultado. Entretanto, aos 44 minutos, o México quase conseguiu o empate. Pacheco ficou de frente para o gol, mas Ponce salvou a pátria.

CHILE 2 X 1 MÉXICO
Bravo, Contreras, Ponce e Jara; Isla, Medel, Vidal, Fernández (Carmona) e Beausejour (Paredes), Sánchez e Suazo (Estrada). Michel, Chávez, Reynoso, Mier e Aquino (Peralta); Aguillar, Reyes, Araujo e Enriquez; Dos Santos e Marquez (Pacheco).
Técnico: Claudio Borghi Técnico: Luis Fernando Tena
Gols: Araujo, aos 9 do primeiro tempo (MEX); Paredes, aos 21 do segundo tempo, e Vidal, aos 27 (CHI).
Cartões amarelos: Bravo (Chile); Reyes, Aquino, Aguillar e Pacheco (México)
Estádio: Bicentenário (San Juan, Argentina). Data: 04/07/2011. Árbitro: Juan Soto (Venezuela).

GloboEsporte.com

Da redação TV SBUNA

Veja também

    None Found

Comente via Facebook

comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here