A Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) solicitou ao governo federal aplicar este ano um reajuste médio de 8,67% às contas de luz de mais de 3 milhões de consumidores pernambucanos. O número não é definitivo e o pedido ainda será analisado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O reajuste oficial entrará em vigor no próximo dia 29.

Segundo a Aneel, na fase atual ainda não é possível detalhar os possíveis reajustes para cada tipo de consumidor da Celpe, seja o residencial, o mais comum, e para as grandes empresas dos ramos industrial e comercial, por exemplo.

Ano passado, houve queda nas contas pernambucanas, de 8,87% para os consumidores residenciais, de uma forma geral, e de 2,65% a 6,25% para as grandes empresas. Em seu pedido de reajuste, a Celpe havia calculado uma média de 9,33% para todo o Estado.

A solicitação da companhia não foi à toa. É que a redução se deu por causa da retirada de um resíduo que gerou grande impacto nas contas dos anos anteriores, uma cobrança que teria aumentado as contas em 24,3% em 2005. Esse grande reajuste foi dividido em parcelas anuais de 8%, cobradas entre 2006 e 2009.

A redução apresentada pela Celpe, portanto, veio após o término desse aumento que impactou as contas pernambucanas durante meia década.

Na conta deste ano, um grande vilão é o Índice Geral de Preços e Mercado (IGP-M), usado na composição do reajuste, um resultado de 11,01%.

O resultado disso é que os reajustes autorizados este ano pela Aneel estão bem altos. Na Empresa Energética de Mato Grosso do Sul (Enersul), o aumento médio autorizado pela agência reguladora foi de 17,49%, exatamente o mesmo percentual solicitado pela empresa, o que gerou um impacto nas contas residenciais de 18,57%.

Em Minas Gerais, a Cemig Distribuição pediu um reajuste médio de 8,8%, mas foi autorizada a aplicar 7,24%, sendo 6,61% para as residências.

José Antônio Feijó é diretor do Instituto Ilumina, uma organização sem fins lucrativos que estuda e acompanha o setor elétrico.

“O problema não está nos cálculos, mas nas regras para se fazer o cálculo. Infelizmente, no fim das contas o Brasil nunca se desindexou. Os contratos todos de distribuição de energia preveem correção com uso do IGP-M como um dos fatores e isso termina retroalimentando a inflação”, comenta Feijó.

Entram na conta, ainda, fatores como o crescimento do mercado consumidor e o custo de geração de energia, por exemplo.

JC

Da redação TV SBUNA

Veja também

    None Found

Comente via Facebook

comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here